segunda-feira

26º Capítulo

- Sinto dizer que ainda não havia tido a oportunidade de observá-las. Aliás, eu não tinha a menor ideia de como você era até o dia em que entrou no meu escritório pela primeira vez.
Vanessa admirou-se.
- Verdade? Nunca havia me visto até então?
- Escolhi você porque demonstrou mais capacidade que as outras secretárias. Para ser sincero, vi apenas a sua ficha.
- Espero que não tenha ficado desapontado.
Desapontado, ele? O termo certo seria fascinado, Zac pensou.
- Sua eficiência tem ultrapassado as minhas expectativas.
Vanessa sorriu.
- Sempre me orgulhei das minhas pernas, sabe, Zac? Mas muito mais do meu cérebro. Você não podia ter-me feito um elogio maior.
- E sincero.
Vanessa estava louca para dançar, mas Ashley e Corey se aproximaram quando ela ia propor a Zac. Esperava que os dois homens não tivessem muito assuntos em comum, mas ficou surpresa ao vê-los se darem muito bem.
Levou ainda um bom tempo até que conseguisse arrastar Zac para a pista de dança.
- Está fazendo uma porção de amigos esta noite, hein, Zac? - disse ao começarem a dançar. - Você cresceu no conceito deles. Foi o único executivo a vir à festa dos funcionários.
- Por estar num cargo mais elevado não significa que me considere melhor do que qualquer outro aqui dentro da Sooner. É uma pena que me achem esnobe.
- Mas agora devem ter mudado de opinião. E você reparou como as mulheres o olham?
Não, ele não havia reparado. E também não se importava. A única mulher no mundo que o interessava era a que tinha nos braços naquele momento.
- Fico contente por finalmente estarmos sozinhos, Zac - Vanessa confessou-lhe. - Queria lhe perguntar uma coisa.
- O que é?
- Amanhã é dia de Natal, certo? Acontece que minha mãe viajou...
- Que pena. Você deve estar desapontada.
- Para ser sincera, não. É bom saber que ela está se divertindo. - Vanessa o fitou com seriedade. - Mas ficaria desapontada se não aceitasse meu convite para almoçar comigo amanhã.
Zac estreitou-a um pouco mais. Será que havia ouvido bem? Vanessa desejava passar o dia de Natal com ele?
- Não sei se devo... Talvez tenha outros convidados e...
- Não haverá outros, Zac. Seremos só nós dois. Uma espécie de celebração da nossa nova amizade.
- Celebração?
- Sim. E como vai estar com Lilly na próxima semana, pensei... Achei que poderia ser também nossa... nossa última oportunidade de estarmos juntos.
Oh, não! Por que ela sempre acabava tocando no nome de Lilly?, Zac pensou frustrado. Começava a duvidar se seria inteligente esperar até o ano-novo para revelar-lhe toda a verdade. Ao mesmo tempo não queria desperdiçar aqueles últimos momento juntos.
Aparentemente Vanessa ainda o encarava apenas como um amigo.
E se ficasse zangada e não quisesse mais vê-lo?
- É muita gentileza sua. Mas tem certeza que não vou lhe dar muito trabalho? - ele perguntou.
- Será um prazer cozinhar para você, Zac. Não pretendia receber ninguém em sua casa, pretendia?
- Não. A que horas devo ir?
- Logo que se levantar. Poderemos passar o dia todo juntos, assim você me ajudará a abrir meus presentes, está bem?
Zac sorriu. O que mais ele podia desejar?
- Está tornando este Natal muito especial para mim, Vanessa.
- O mesmo digo de você. Meu Natal este ano será inesquecível.
A música era suave e romântica. Vanessa pousou a cabeça no peito dele e suspirou. Um Natal inesquecível. Era o máximo que podia dizer a Zac.
Mesmo desejando acrescentar que esperava estarem juntos no ano seguinte, no outro e no outro, jamais ousaria confessar-lhe.
Um dos últimos casais a deixarem a festa foram eles.
Havia nevado bastante e as ruas se encontravam cobertas por uma espessa camada de gelo muito escorregadia.
- Sabia que encontraríamos muita neve quando saíssemos da festa, mas não isto - Vanessa comentou um pouco aflita. - O que vamos fazer? Acha que conseguiremos chegar em casa?
- Não sei. Vou tentar através da rua principal. Talvez seja o caminho mais seguro.
Zac dirigia com cuidado, procurando manter o carro sob controle. Mas as ruas estavam tão lisas que acerta altura deslizaram por quase dois quarteirões.
- Acho melhor irmos para a minha casa, Vanessa. Fica mais perto que seu apartamento e depois pensaremos no que fazer.
- Por mim tudo bem. - Ela aceitou prontamente. - Desde que saiamos destas ruas, concordo com qualquer sugestão.
Um trajeto que em condições normais Zac teria feito em cinco minutos, eles levaram quase meia hora.
Quando pararam diante dos portões de uma enorme casa de pedra, Vanessa suspirou aliviada.
- Vou deixar o carro aqui mesmo, na rua. - Zac decidiu. - O caminho até a garagem é uma rampa e tenho medo de não conseguirmos chegar até lá em cima.
O chão de fato chegava a estar perigoso de tão escorregadio. Vanessa deixou que Zac a ajudasse a caminhar e quando ele abriu a porta de entrada, uma onde de calor os envolveu.
- Que delícia, Zac! - ela exclamou entrando no saguão. - Seus empregados dormem em casa?
- Não. Costumam vir todos os dias bem cedo, mas, como amanhã é Natal, dei folga a todos eles.
Por qualquer razão, Vanessa esperava uma decoração formal e austera na casa de Zac. Mas enganou-se.
Ele a levou a uma enorme sala com lareira, alguns sofás de couro, várias poltronas e muitos tapetes fofos e macios. Um conjunto aconchegante e harmonioso que a deixou ao mesmo tempo encantada e surpresa. Havia enormes janelas de vidro nas paredes do fundo dando para o jardim.
Entre duas delas um grande pinheiro do Colorado cintilava com luzinhas multicoloridas e bolas de Natal prateadas e douradas.
- Que lindo, Zac!
- Você gosta?
- É a árvore de Natal mais maravilhosa que já vi. Foi você quem a armou?
- Imagine. - Zac acendeu a luz de um abajur.
– Acho que nunca armei um árvore de Natal em toda a minha vida.
- E quem enfeitou esta?
- Minha governanta, a sra. Gaines. Fazia muitos anos que não montávamos uma árvore nesta casa.
- Mesmo...? Que tristeza passar um Natal sem árvore.
Zac a fitou sem jeito.
- Na verdade, não tenho o hábito de grandes comemorações de fim de ano. Mas desta vez...
Daquela vez havia Lilly, Vanessa completou em silêncio. Odiava lembrar-se da moça, mas parecia que quase tudo que diziam ou faziam a levava a pensar em Lilly. Aproximando-se de uma das janelas, olhou a escuridão da noite durante alguns instantes.
- Acho que seria arriscado irmos de carro até meu apartamento, Zac.
- Concordo.
- Mas tenho uma amiga que possuiu um carro com tração nas quatro rodas. Ela poderá vir me buscar se eu ligar.
- Não seria prudente... - Zac aproximou-se dela. - Mesmo com tração nas quatro rodas...
Ele tinha razão, Vanessa sabia. Seria arriscado para qualquer um sair com um tempo daqueles.
- Pelo visto vai ter que me aguentar aqui, Zac.
- Eu não diria aguentar , Vanessa. - Ele sorriu. – Além do mais, não tínhamos mesmo combinado passar o dia de Natal juntos? Apenas será em minha casa e não na sua.
Oiiiii
Ai que fofoooo ♥____♥
Quero só ver o que vai acontece com esses dois ai sozinhos na
casa do Zac... hahaha
Zanessa 4ever já enviei pra vc por email a lista.
Comentem ai...
Obrigada pelos comentários
Beijinhoos e até amanhã..

3 comentários:

  1. Oh meu Deus,que perfeição de capítulo *-*
    não vejo a hora de ver como será o dia de natal deles
    amei ♥♥♥
    posta mais hoje amore,kisses

    ResponderExcluir
  2. Aiii senhor,esse natal promete,ja to ansiosa,posta mais hoje,bjs bjs!

    ResponderExcluir
  3. Ui ui to prevendo q essr natal vai ser melhor do q imagino ansiosa posta mais
    Xoxo

    ResponderExcluir