segunda-feira

10º Capítulo

Entre outras coisas, Vanessa pensou com tristeza enquanto Zac saboreava a bebida.
Bem, pelo menos nesse ponto ela não podia se queixar. Havia aprendido muito com seus pais. Não só o que era importante e sério, mas também pequenas coisas que davam um sabor divertido à vida.
O divórcio deles a havia deixado muito deprimida. Mesmo depois de tanto tempo não conseguia aceitar o fato de o pai ter ido morar do outro lado do mundo e deixado a mãe sozinha. Ela procurou sorrir para Zac.
- Tenho certeza de que há muitas coisas em sua vida que nunca experimentei, Zac. Por exemplo, nunca fui a Nova Inglaterra.
- É apenas um outro lugar dos Estados Unidos.
- Não concordo. A Nova Inglaterra tem uma história riquíssima.
Zac a fitou surpreso.
- Interessa-se por história?
- Muito. - Ela sorriu. - Na verdade eu pretendia ser professora de história.
- E por que desistiu?
- Coisas da vida.
- Seria muita indiscrição perguntar que coisas são essas?
Vanessa o fitou por alguns instantes antes de responder. Talvez ele fosse a única pessoa com quem não se importaria de tocar no assunto.
- É claro que não. Não continuei meus estudos porque meus pais se separaram quando eu tinha dezoito anos. Foi uma fase terrível da minha vida. Não consegui continuar morando em casa e enfrentar todas as mudanças. Também ficou difícil trabalhar e estudar ao mesmo tempo. Dois anos depois achei melhor desistir da história e dedicar-me ao trabalho.
- Compreendo...
- Bem, o que achou do chocolate? Não cozinho tão mal assim, cozinho?
Zac ajeitou os óculos sobre o nariz e sorriu.
- Está delicioso.
- Obrigada. Só espero que minhas aulas também sejam tão boas quanto.
- Aulas?
- Você e Lilly, já se esqueceu? Mas tenho de confessar que nunca ajudei um homem a laçar uma mulher antes. Ensinei algumas amigas como conquistar um namorado, é verdade, e espero que minhas táticas funcionem no sentido inverso.
O rosto de Zac ficou vermelho como um pimentão.
- O que houve? Eu disse alguma coisa que não devia?
- Não, não, é que... que esta situação toda é tão embaraçosa. Deve estar pensando que sou maluco em pedir este tipo de ajuda a você.
- De forma alguma - Vanessa alcançou a mão dele sobre a mesa. - Se um maior número de homens fosse honesto como você, provavelmente haveria menos desentendimentos, menos divórcios e menos corações partidos.
Zac corou ainda mais.
- Honesto como eu?
- Sim. Que outro homem teria coragem de confessar que não sabe como conquistar uma garota? Não acho você maluco, Zac, e, sim, admiro sua sinceridade.
Sincero, ele? Zac engoliu em seco. Céus! Se Vanessa soubesse!
- É que sempre fui muito tímido. Aos quinze anos eu me sentia o próprio conquistador. Mas na hora "H", as palavras sumiam do meu cérebro.
- Todos enfrentamos problemas desse tipo na adolescência. Você não foi o único. Vai ver como assim que Lilly chegar não se sentirá nem um pouco tímido.
- Talvez. - Ele tomou um gole do chocolate. - Nunca havia surgido um interesse tão grande até eu... antes de Lilly. Ela me faz desejar ser um daqueles atletas machões que sabem como conquistar uma mulher. Ser ousado, saber flertar, dizer coisas bonitas. Você me entende, não?
Puxa! Ele devia ser mesmo louco pela tal Lilly. Vanessa não podia citar um só de seus fãs que mostrasse um terço daquele interesse por ela. Eram sempre tão convencidos e arrogantes. Os próprios machões. Seriam bem mais agradáveis se se parecessem com seu chefe.
- Nem todas as mulheres são tão obcecadas assim por super machões, Zac.
- Lilly é - Zac afirmou com convicção. - Andava sempre rodeada de atletas musculosos. - Lembrou com certa mágoa.
- Como pode ter tanta certeza assim? Algumas mulheres dizem uma coisa, mas sentem outra completamente diferente.
Que as feministas não a ouvissem, Vanessa pensou. Era traição seguir tal linha de pensamento, mas naquele instante tornava-se crucial deixá-lo seguro.
- Mas sei que Lilly gosta desse tipo de homem, - Zac insistiu. - Ela está sempre... quero dizer, o irmão dela me disse que Lilly sai com atletas frequentemente.
- Está bem. Mas o que o faz pensar que não é o tipo de Lilly? Ela já lhe falou?
Zac arregalou os olhos.
- Não sou cego, Vanessa. Sei que não pareço nem um pouco com os homens que... que você conhece, por exemplo.
Ele tinha um ar tão pessimista que ela resolveu examiná-lo atentamente.
De fato, não estava diante de nenhum Rambo. Ainda bem! Agradava-lhe muito mais os braços fortes de Zac, seus ombros largos e o corpo bem proporcionado. Tinha certeza de que, se pudesse vê-lo sem roupa, não se decepcionaria nem um pouco.
"Vanessa do céu! Que diabos está dando em você?" ela se recriminou em pensamentos. "Vem trabalhando com o homem há dois anos e nunca se dignara a olhá-lo duas vezes. Agora, de uma hora para a outra, quer tirar-lhe a roupa?!"
- O tipo que está imaginando não passa de um mito, de uma força de expressão, Zac. - Tranquilizou-o. - Tudo o que você precisa é... - De repente ela se levantou e chegou bem perto dele. - Tem mesmo que usar esses óculos?
Zac ia responder que sim, mas não deu tempo. Ela já os havia tirado e olhava para ele com uma expressão atônita.
- Zac! Que olhos mais lindos você tem!
- Mas não consigo enxergar um palmo diante do nariz sem meus óculos, Vanessa!
Quanto a isso dariam um jeito, ela pensou olhando para o par de olhos azuis mais espetaculares que já vira. Nunca imaginara que seu chefe ficasse tão sexy sem os óculos!
- Amanhã mesmo vamos tratar de conseguir lentes de contato para você!
- Lentes de contato! - Ele a fitou indignado. - Isto já está indo longe demais, Vanessa!
- Pensei que estivesse disposto a fazer qualquer sacrifício para conquistar aquela mulher.
- Sim, sem dúvida. Mas ao menos tenho que enxergar, não acha?
Vanessa lançou-lhe um de seus sorrisos provocantes.
- Lilly vai achá-lo muito sexy.
Ele a fitou confuso.
- Acha mesmo que faz tanta diferença assim?
- Vai operar milagres, eu lhe garanto! Nunca nenhuma mulher lhe disse que tem olhos lindíssimos? Por que os esconde?
- Escondo?! Se uso óculos é para enxergar, mais nada.
Com certa relutância, Vanessa colocou os óculos de volta sobre o nariz dele.
Seus dedos lhe tocaram a face e ela notou que Zac a fitava de um jeito estranho.
- Concordo que é importante enxergar - disse retirando a mão rapidamente. - Mas no seu caso, em particular, é preciso pensar em Lilly.
- Mas lentes de contato... Não é fácil adaptar-se a elas. Meus olhos vão lacrimejar o dia todo.
- Hoje em dia há tipos mais modernos. São gelatinosas e não incomodam. - Vanessa apertou a mão dele para encorajá-lo. - Oh, Zac! Vai dar certo, tenho certeza.
Como ele podia pensar em lentes de contato com ela ali tão perto? Mal conseguia respirar! Tinha de sair dali ou ia acabar fazendo uma besteira.
Antes de tudo perdoem-me, sei que já ficando chato eu toda hora ter
que pedir desculpas por não fazer o que prometo, mas dessa vez eu juro que
esqueci que iria publicar mais de um capítulo hoje!!
Mas não se preocupem porque ainda hoje eu posto outro já até
deixei programado!!!
Sei não viu... Vanessa já ta começando a pensar em como o Zac será
sem roupa... Daqui a pouco vai querer ver se ele beija
bem também hahaha
Sei que é estranho imaginar o Zac usando óculos mas essa parte não
deu pra adapta porque se não perderia a graça...
Mas espero que ele aceite e mude logo pras lentes neh!? Ai fica beeeeeem
mais fácil imaginá-lo :D
Comentem ai e até mais tarde!
Beijinhoos....

4 comentários:

  1. OMG que capítulo mega perfeito ♡♡♡♡
    o Zac já tá se apaixonando pela V *-*
    posta mais hj amore, kisses

    ResponderExcluir
  2. Acho lindo imaginar ele com óculos, fica fofo!
    Adorei o capítulo.
    Ansiosa para o próximo ;)

    ResponderExcluir
  3. Eu ja imaginei ele de oculos e fica a coisa mais sexy do mundo amo amo

    ResponderExcluir
  4. velho,o Zac ta taaaao fofo nessa fic(quer dizer,mais),e a Nessa ta sendo ótima!Posta mais bjs bjs!

    ResponderExcluir